Download MICROBIOLOGIA CLÍNICA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO RELACIONADA À ASSISTÊNCIA À SAÚDE PDF

TitleMICROBIOLOGIA CLÍNICA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO RELACIONADA À ASSISTÊNCIA À SAÚDE
TagsMicrobiology Diseases And Disorders Public Health Infection Urinary Tract Infection
File Size2.1 MB
Total Pages154
Document Text Contents
Page 1

Agência Nacional de Vigilância Sanitária | AnvisaAgência Nacional de Vigilância Sanitária | Anvisa

Módulo 3: Principais Síndromes Infecciosas

MICROBIOLOGIA CLÍNICA PARA O
CONTROLE DE INFECÇÃO RELACIONADA À

ASSISTÊNCIA À SAÚDE

Page 77

75

Módulo 3: Principais Síndromes Infecciosas

a amostra do tioglicolato em meio suplementado com hemina e
vitamina K a cada 48 h até completar 7 dias; se positivo, proceder à
identificação da bactéria.

• O material pode ser semeado paralelamente em meio seletivo e en-
riquecido para anaeróbios como o ágar sangue com hemácias rom-
pidas, adicionado de Kanamicina e Vancomicina (LKV) seletivo para
Bacteroides e Prevotella.

– Se houver suspeita clínica de micobactérias, semear também em meios
especiais (Lowenstein Jensen ou Middlebrook); aguardar 60 dias para
reportar a cultura como negativa.

– Se houver suspeita clínica de fungos, semear também em Ágar Sabou-
raud glicose; incubar a temperatura ambiente durante quatro sema-
nas.

Após identificação do agente, devem ser realizados os testes de susceptibi-
lidade, seguindo os padrões do CLSI (Committee for Laboratory Standards
Institute) vigentes para grupo de patógenos: enterobactérias, Staphylococ-
cus, Streptococcus, não fermentadores, anaeróbios, fungos e se necessário,
até micobactérias.

O resultado da cultura e do teste de susceptibilidade devem ser analisados
e reportados com critério, tentando minimizar o risco de informar ao res-
ponsável pelo tratamento do paciente resultado de contaminação ou flora
normal, o que ocorre principalmente quando existe um grande número de
bactérias de várias espécies nos sítios de infecção envolvidos na etiologia
das infecções abdominais.

5 .2 Referências Bibliográficas
BARON, E.J., FINEGOLD, S.M. Bailey & Scott’s Diagnostic Microbiology. 12th Ed., CV Mosby, St.
Louis, 2007.

ISENBERG, H.D. Clinical Microbiology Proceduces Handbook, American Society for
Microbiology, Washington, DC, 1998.

ISENBERG, H.D. Essential Procedures for Clinical Microbiology, 2nd edition AmericanSociety
for Microbiology, Washington, DC, 2004.

KONEMAN, W.E., ALLEN, D.S., JANDA, M.W., SCHRECKENBERGER C.P. AND WINN JR., C.W.
Color Atlas and Textbook of Diagnostic Microbiology, 6th Ed., Lippincott, Philadelphia, 2006.

MANDELL G.L., BENNETT, J.E., DOLIN, R. Principles and Practices of Infectious Diseases, 6th
Ed., Churchill Livingstone, New York, 2005.

Page 78

76

Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa

MARSHALL, J.C. Intra-abdominal Infections. Microbes and Infection 6 (2004) 1015-1025.

MILLER, J.M. A Guide to Specimen Management in Clinical Microbiology. 3rd edition.
American Society for Microbiology, Washington, DC, 2004.

MURRAY, P.R., BARON, E.J., PFALLER, M.A., TENOVER, F.C., YOLKEN R.H. Manual of Clinical
Microbiology, 8th Ed., American Society for Microbiology, Washington, DC, 2003.

SHULMAN, S.T., PHAIR, J.P., PETERSON, L.R., WARREN, J.R. The Biological and Clinical Basis of
Infectious Diseases, 5th Ed., Saunders, Philadelphia, 1997.

THOMPSON, A.E., MARSHALL J.C., OPAL S.M. Intraabdominal Infections in Infants and
Children: descriptions and definitions. Pedietr. Crit. Care med. 2005; 6 (suppl) S30-S35.

Page 154

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa
SIA Trecho 5 - Área especial 57 - Lote 200
CEP: 71205-050
Brasília - DF
Telefone: 61 3462 6000

www.anvisa.gov.br
www.twitter.com/anvisa_oficial
Anvisa Atende: 0800-642-9782
[email protected]

Similer Documents